Como evitar a punição do Google por excesso de otimização

Criar Site no Webnode Grátis

Dicas para evitar punição no Google por excesso de SEO

Você anda abusando da otimização (SEO) do seu site? Muitas palavras-chave no título de uma página ou talvez todos os links internos utilizando o mesmo texto âncora? Se esse for o seu caso, é melhor você começar a repensar os seus conceitos! Durante o evento SXSW que aconteceu no mês de Março (2012), Matt Cutts, que é o chefe do departamento anti-spam do Google, comentou que a empresa está estudando uma forma de “equilibrar” a competição entre os sites/blogs que abusam da otimização para os mecanismos de buscas (SEO) e aqueles que se preocupam mais em produzir conteúdo de qualidade e acabam deixando um pouco de lado, seja por falta de conhecimento ou simplesmente por opção, o aspecto do SEO (menor preocupação em otimizar títulos, meta tags, etc.). Esse equilíbrio viria em forma de uma punição aplicada pelo Google (perda de posições ou até mesmo desindexação).

Existe muita especulação atualmente sobre quais mudanças seriam feitas para se alcançar esse equilíbrio. Não se sabe ao certo quais (e quantas) mudanças serão feitas no algoritmo de ranking do Google e muito menos quando elas serão implantadas. Mas o consenso geral é que o Google está ciente que muitos blogueiros e profissionais da área estão indo longe demais na otimização de seus sites e que as próximas atualizações do algoritmo de ranking da empresa terão como alvo justamente esses casos. Sites e páginas altamente otimizadas, que fazem uso de técnicas black hat e/ou com um perfil de backlinks não natural serão os alvos.

Dicas para evitar punição no Google por excesso de SEO

Por que essas mudanças?

As mudanças no algoritmo de ranking feitas pelo Google geralmente tem como objetivo diminuir o spam e aumentar a qualidade dos resultados das buscas. Até aí nenhuma novidade. A diferença é que existem fortes indícios (o anúncio feito pelo próprio Matt Cutts sendo um deles) de que dessa vez sites/páginas que abusam de algumas das técnicas SEO (on e off page) poderão receber uma punição.

Essas mudanças têm basicamente dois objetivos:

1) Melhorar a qualidade dos resultados das buscas, diminuindo assim a quantidade de spam e sites de baixa qualidade.

2) Com a atual competição na área de SEO, os sites menos otimizados, mas que muitas vezes possuem conteúdo de boa qualidade, são deixados para trás nos rankings de uma busca. Um dos objetivos dessas mudanças é justamente nivelar essa competição, permitindo assim que sites menos otimizados ganhem posições mais altas.

O que pode acontecer com um site punido por excesso de otimização?

As punições aplicadas pelo Google geralmente significam a perda de posições no ranking dos resultados de busca ou então, no pior dos casos, a desindexação da página (ou até mesmo do site inteiro). A desindexação significa que a sua página (ou site) é removida por completo do índice de pesquisas do Google. E se ela não está no índice, bem, ela não poderá ser encontrada.

É possível recorrer em caso de punição?

Se o seu site for punido, sim, é possível recorrer. Antes de mais nada, leia o artigo até o final e faça as alterações sugeridas. Remova qualquer coisa que não esteja agregando valor ao seu visitante. Em seguida acesse a página de reconsideração no Google Webmaster Tools e preencha o formulário. Explique as alterações feitas no site e espere algumas semanas para ver se você conseguirá recuperar as suas posições originais. Lembre-se: o Google não responde diretamente aos pedidos de reconsideração. A resposta, caso ela seja positiva, será vista em forma de resultado após algumas semanas.

O que fazer para não ser punido?

Ok, certamente você não quer que o seu site seja punido, certo? Antes de mais nada é preciso mudar a sua atitude em relação a otimização de sites. Os resultados obtidos através de táticas black hat, atalhos ou spam não serão sustentáveis à longo prazo. Pense no seu visitante e otimize as suas páginas com o objetivo de oferecer a melhor experiência possível para ele. Não deixe de aplicar as técnicas SEO… porém, não exagere.

É importante lembrar também que o algoritmo de ranking do Google é complexo e utiliza mais de 200 sinais diferentes para selecionar os resultados para uma determinada busca. Obviamente a empresa não divulga quais são esses sinais que podem influenciar os resultados. Porém muitos deles são conhecidos pelos profissionais da área. Enquanto alguns sinais podem ter uma influência positiva, outros podem não trazer qualquer resultado ou então, no pior dos casos, render punições e até a desindexação.

Então vamos dar uma olhada nos principais fatores que podem levar a uma punição por excesso de otimização. Mesmo que um desses fatores não lhe renda uma punição aplicada pelo Google agora, lembre-se de que a empresa está constantemente atualizando o seu algoritmo. As táticas abaixo não agregam valor ao visitante de um site e não estão em conformidade com as diretivas de construção de um site de qualidade publicadas pelo Google. Ou seja, você não deveria estar perdendo tempo com elas.

Para facilitar a identificação de algumas dessas técnicas, veja a imagem abaixo. Ela representa um site fictício onde o blogueiro/webmaster exagerou um pouco ao se focar na palavra-chave “como fazer um blog”.

Alguns dos pontos abaixo fazem referência a uma seção numerada na imagem.

1) Conteúdo

Você anda copiando conteúdo de algum outro site para colocar no seu? Talvez copiando não, mas quem sabe você gostou tanto de outro artigo que você apenas alterou algumas partes e colocou no seu próprio site? Ou ainda, um artigo com 3 linhas onde não existe qualquer tipo de informação útil? Bom, se a sua estratégia de conteúdo tem algo haver com algum dos exemplos que eu citei, saiba que o Google terá um enorme prazer em analisar as suas páginas com mais atenção. Qualquer tipo de conteúdo duplicado ou de baixa qualidade com o objetivo de otimizar uma página para determinado grupo de palavras-chave é passível de uma punição. O conteúdo duplicado foi um dos alvos principais do Google com a atualização do seu algoritmo conhecida como Panda. Mas a empresa continua buscando melhorar o seu reconhecimento de documentos de baixa qualidade. Remova qualquer conteúdo duplicado ou de baixa qualidade do seu site. Concentre-se em produzir conteúdo único, de qualidade e com poucos erros de gramática/ortografia.

2) Títulos

Esqueça por um momento o Google e qualquer prática SEO. Quero a sua opinião sincera: o que você acha do seguinte título para uma página?

Como fazer um blog, criar blog, fazer sites, site grátis | criar site

Faz algum sentido para um visitante? Um conjunto de palavras-chave agrupadas simplesmente numa tentativa de alcançar posições mais altas no ranking. Agora compare com o seguinte título:

Super Blog | Aprenda a criar blogs e sites, monetização e SEO

Digamos que a minha palavra-chave principal seja “criar blog”. Esse segundo título continua otimizado, porém sem exageros. Mas do ponto de vista do usuário, qual título agrega maior valor? E qual vai produzir o melhor CTR? Concentre-se no seu visitante. O segundo título é otimizado, relevante e provavelmente converterá melhor.

3) Uso excessivo de tags de cabeçalho (<H1>… <H6>)

As tags de cabeçalho são importantes para estruturar o conteúdo do seu artigo para os visitantes. Além disso, elas permitem aos robôs que realizam a leitura das páginas (como o Googlebot no caso do Google) entenderem melhor a estrutura do seu texto (o que é mais relevante, por exemplo). Mas como todos os outros pontos relacionados à otimização de páginas para mecanismos de busca (conhecida como on page SEO), os exageros estarão na mira do Google. Evite utilizar os cabeçalhos <H2> e <h3> apenas para inserir a sua palavra-chave no artigo. Pense no seu visitante… se os níveis <h2> e <h3> (e até os outros níveis) forem úteis para ajudar o seu visitante a compreender o conteúdo do seu artigo, por favor, use-os! Caso contrário, use somente o cabeçalho <H1> para o seu título.

4) Exagerando nos links usando textos âncora exatos

Boa parte dos sites sobre criação e monetização de blogs comete esse pecado. Em primeiro lugar, o que é um texto âncora? Basicamente é o texto visível de um link. Ele é muito importante no trabalho realizado pelos mecanismos de busca (principalmente o Google). Um link apontando para uma página do seu site é considerado um voto. É como se fosse um concurso de popularidade: quantos mais votos uma determinada página tiver, mais popular ela será. E quanto mais popular uma determinada página, mais alta será a sua posição no ranking. Mas não é tão simples assim, pois os mecanismos de busca levam em consideração quem está votando.

De qualquer maneira, um dos fatores importantes que são avaliados quando um link aponta para o seu site (backlink) é o seu texto âncora. Quer um exemplo? Considere novamente a nossa página super otimizada para a palavra-chave “como fazer um blog”. Um link apontando para esse site que contenha o texto âncora “como fazer um blog” vai ser mais relevante do que outro com o texto âncora “criação de sites”. A relevância dos textos âncora é importante. Mas novamente, evite exageros. Se você tem na sua página dez links para uma mesma página interna (digamos, a home page) que usam o texto âncora exato relacionado à sua palavra-chave (“como fazer um blog”), você certamente está passando um pouco dos limites. Qual valor dez links com o mesmo texto âncora e ainda apontando para a mesma página poderiam possivelmente oferecer ao seu visitante? Nenhum, claro.

5) Links no rodapé usando âncoras

Essa é mais uma daquelas táticas que funcionava bem no início da década passada, mas que hoje em dia é considerada simplesmente um excesso de otimização. Colocar vários links no rodapé de uma página com o único objetivo de otimizar sua página para determinadas palavras-chave pode lhe custar caro. “Mas e seu mudar a cor desses links para torná-los invisíveis?”. Ótima ideia! Certamente o Google sequer irá perceber… claro, isso se não estivéssemos em 2012! Retire o excesso de links ou os links invisíveis e deixe somente os links realmente relevantes.

6) Mesma página, mesmo texto âncora

Você tem o costume de criar links para uma mesma página do seu site (link interno) usando o mesmo texto âncora? Bom, saiba que essa é uma técnica antiga e que produz cada vez menos resultado. Além disso, ela é um forte indício de que você está abusando da otimização de suas páginas.

Considere o seguinte: somente a primeira ocorrência do link para a página interna será contabilizada. Não adianta ter dez links com o mesmo texto âncora apontando para a mesma página. Provavelmente a mensagem que você está querendo passar para o Google (ou o Bing) é: “veja, esse site para o qual eu estou linkando é muito relevante para essa palavra chave”. Na verdade, a mensagem recebida pelo Google/Bing é: “veja só, eu estou otimizando cegamente minha página para essa palavra-chave. Por favor, você pode me punir?”. Crie links naturalmente ao referenciar artigos antigos e relevantes, variando os seus textos âncoras.

Alguns outros fatores sem relação diretamente com o conteúdo da página:

Backlinking não natural e exagerado

O linkbuilding é um termo em inglês que descreve as técnicas relacionadas à criação de links externos para as páginas do seu site. Os mecanismos de busca em geral não veem com bons olhos as táticas de linkbuilding não naturais. É extremamente importante ter links apontando para o seu blog, desde que eles sejam naturais.

Lembre-se de que o Google analisa a origem de um link. Se um link para o seu site está vindo de uma fonte duvidosa (spam, por exemplo), o link não será contabilizado. Porém, no pior dos casos, o seu site poderá ser punido. Muitos links não naturais com o mesmo texto âncora apontando para o seu site? Pode ser um indício de que você está tentando trapacear.

Nesse caso, uma pergunta tem aparecido com frequência: “Se meu site pode ser penalizado pelos links recebidos, posso fazer o mesmo com um site de um concorrente, certo?”.

Embora o próprio Google tenha descartado no passado a possibilidade de que links externos pudessem afetar o seu site (eles seriam simplesmente ignorados), alguns casos relatados nas últimas semanas indicam uma possibilidade de que isso seja possível agora. O SEO negativo (Negative SEO), como ficou conhecido, poderia criar um mercado alternativo onde você poderia pagar uma empresa para criar uma grande quantidade de backlinks de fontes duvidosas para os sites dos seus concorrentes, com o único objetivo de forçar uma punição para eles.

Seria realmente possível fazer isso? Infelizmente ainda não há uma resposta definitiva, mas espero sinceramente que esse não seja o caso.

Palavras-chave parecidas, mas páginas diferentes

Digamos que eu queira otimizar meu site para três palavras-chave diferentes: como fazer um blog, como fazer um site e quero fazer um blog. Alguns blogueiros criam três páginas diferentes, cada dedicada a uma palavra-chave específica. Novamente, pense no seu visitante: faz algum sentido ter três páginas diferentes sobre o mesmo assunto? A longo prazo será muito melhor ter uma única página com um conteúdo de maior qualidade e que seja otimizada para as três palavras-chave. Você conseguirá um CTR maior e certamente receberá mais tráfego orgânico, pois acabará associado a diferentes palavras-chave de cauda longa (long tail keyword). Bom, se nenhuma dessas vantagens lhe convencer, esteja ciente de que essa é uma prática que pode ser considerada como um excesso de otimização.

Conclusão

Técnicas que funcionavam muito bem até pouco atrás no melhor dos casos não possuem mais qualquer efeito. E no pior dos casos podem ser consideradas como excesso de otimização, resultando assim em uma punição para o seu site. Em relação às técnicas que ainda funcionam atualmente, a questão é: até quando elas funcionarão? Ou até quando elas serão consideradas aceitáveis pelo Google? Bom, até a próxima atualização no algoritmo de ranking da empresa, onde mais uma leva de sites perderá as suas posições. Ao invés de investir seu tempo e dinheiro procurando a mais nova técnica para conseguir posições altas, que tal começar a pensar no marketing de conteúdo e no SEO de uma maneira mais profissional? Crie conteúdo de qualidade, use e abuse das redes sociais, crie listas de e-mail (não somente assinantes de feeds), construa uma comunidade ao reder do seu site/blog… Enfim, construa uma relação de confiança com os seus visitantes. Não dependa do Google (ou de qualquer mecanismo de busca).

Então essas mudanças impostas pelo Google vão resolver todos os problemas? Certamente não. Você continuará vendo spam e páginas com conteúdo de baixa qualidade nos resultados de determinadas buscas. Até a próxima atualização do algoritmo do Google, onde tais páginas desaparecerão (ou serão empurradas para as últimas páginas do resultado de uma busca) e novas páginas subirão no ranking. E dentre essas novas páginas, você também encontrará resultados de baixa qualidade (ou spam). E esse ciclo continuará. Nenhuma alteração que o Google faça no seu algoritmo conseguirá limpar todos os resultados.

Sites/páginas perfeitamente legais, que não abusam de técnicas SEO e que se preocupam somente em oferecer conteúdo de qualidade perderão algumas posições no ranking de resultados de diferentes buscas ou então poderão ter, em alguns casos, algumas páginas desindexadas. É justo? Claro que não. Mas isso faz parte desse jogo que se tornou a corrida pelas 10 posições orgânicas do Google, principalmente para as palavras-chave com alto volume de busca. Aqueles focados em conseguir posições mais altas no ranking do Google precisarão aprender a conviver com a atualização dos algoritmos e os possíveis efeitos colaterais. Afinal, o dono do jogo é o Google e é ele quem decide as regras. Será que nós, blogueiros, não nós tornamos dependentes demais do Google e de seus resultados orgânicos? Talvez seja hora de diminuir a Google dependência. Bom, mas isso é assunto para outro artigo! 🙂

E o seu site, será que ele está excessivamente otimizado? Você acha que devemos nos focar mais em outras fontes de visita além de simplesmente confiar no Google?

Este é um guest post escrito por André Machado do blog SOS blogueiro.

16 thoughts on “Como evitar a punição do Google por excesso de otimização

  1. Grande artigo, muito bom! Espero mesmo que o Google aperto o cerco contra SEO exagerado, estou cansado de seguir links achando que vou encontrar uma “princesa” e dar de cara com “sapo”.

    1. É verdade, e acredito que essa seja a tendência. Acho que todos nós que seguimos as regras do jogo queremos que ele seja um pouco mais justo, não? 🙂 Abraço!

  2. SEO de mais é ruim, SEO de menos é ruim, se não seguir a política do Google é ruim, se o Google não for com “sua cara” é ruim, se “correr” o bicho pega, se ficar o “bicho” come……….
    Viva o “todo-poderoso” Google………
    Logo logo, o poderoso Google irá lançar os seus “dez mandamentos”
    Tem que ver quem será o “Moisés” deles…….

    Pessoal, desculpem as comparações…….

    Grande Abraço

    1. ..rsrs Concordo com você Mendigo Virtual!!
      Você é uma figura!! haha 🙂

      André parabéns pelo artigo. Bem detalhado e explicado.

      Abs!!

  3. Tudo em excesso não é bom, e com o SEO com certeza não é diferente. Tem gente que se preocupa demais com a otimização do seu site e acaba se esquecendo do foco principal que é o conteúdo de qualidade.

    Abraço!

    1. É verdade Luiz, e quanto maior o foco no visitante e no conteúdo de qualidade, melhor e maior será o retorno.

      Abraço,

      André

  4. André,

    Excelente artigo, um dos melhores guest posts que li por aqui, e pensando profundamente sobre o tema, muitas vezes “menos poderá significar mais”, principalmente em SEO.

    Abraços 😛

    1. Olá Bruno,

      Muito obrigado pelo comentário! É verdade, ainda mais depois da última atualização do algoritmo do Google na semana passada (pinguim), o contéudo altamente otimizado, spam e técnicas black hat estão realmente na mira da empresa. O desafio, na minha opinião, é otimizar nossas páginas mantendo o aspecto natural e a relevância para os nossos visitantes!

      Abraço!

      André

  5. Olá, André!

    Gostei muito do seu artigo! Reflete bem as preocupações que todos temos quando o Google anuncia uma nova mudança em seus mecanismos.

    Eu gosto do caminho que o Google está tomando. Com iniciativas assim, o que ele espera de nós é que foquemos cada vez mais o bom conteúdo, dando cada vez menos valor para metatags e outras questões técnicas. O lado bom é que isso privilegia quem escreve bom conteúdo para o leitor e não para as ferramentas de buscas.

    Claro que há alguns percalços. Apesar de eu não ter sido afetado negativamente pelas mudanças, já ouvi relatos de sites que foram injustamente punidos.

    Um abraço e parabéns pelo texto!

    1. Adelson, obrigado pelo comentário! Concordo com você, essas alterações são boas para aqueles que estão focados em produzir conteúdo de qualidade. Por outro lado, toda alteração no algoritmo de ranking do Google gera falsos-positivos. Por isso acredito que é cada vez mais importante dar menos importância para os resultados orgânicos e partir para um planejamento mais sustentável (seja criando listas de e-mail, focando no aspecto social, etc.). Os resultados orgânicos são importantes, mas se nós estivermos focados no conteúdo e no aspecto social, provavelmente seremos recompensados pelos mecanismos de buscas naturalmente.

      Abraço!

      André

  6. Olá André,

    Não acredito que as técnicas de SEO perderão o seu valor quanto ao Google. Algumas se moldarão às novas regras impostas e outras novas técnicas logo surgirão, porém acredito que as novas atualizações passarão a valorizar cada vez mais os posts de qualidade e de grande impacto na blogosfera.

    Até mais e boas postagens!!!

  7. O que aprendemos com o Pinguim é que o Google quer acabar com o SEO
    . “Quem quiser rankings, paga Adwords.”

  8. Eu tenho um problema com uma palavra chave que antes figurava na 2 pagina . de repente ela sumiu do google
    não aparece em posição alguma . já em outras palavras continuo com uma boa posição
    isso pode ter a ver com excesso de otimização?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *